Home Notícias Cai número de atestados médicos aos trabalhadores da construção civil, diz Seconci-SP
0

Cai número de atestados médicos aos trabalhadores da construção civil, diz Seconci-SP

0
0

A pesquisa anual realizada pelo Serviço Social da Construção (Seconci-SP), sobre os motivos de afastamento dos trabalhadores de empresas da construção civil, revela uma redução na proporção de atestados médicos recebidos pelos trabalhadores da construção civil em 2018, na comparação ao mesmo período do ano anterior. O levantamento foi realizado com base nas mais de 65,3 mil consultas médicas não ocupacionais realizadas na Unidade Central da entidade, que resultaram em 6.378 atestados médicos aos titulares.

Enquanto em 2017 os atestados emitidos em todos os atendimentos médicos representaram 12,8%, no ano passado a porcentagem ficou em 9,8%. “Os dados mostram que os trabalhadores da construção civil estão paulatinamente ampliando os cuidados com a saúde, o que diminui a necessidade de afastamentos de suas atividades laborais diárias, proporcionalmente”, destaca Norma Araujo, superintendente do Instituto de Ensino e Pesquisa Armênio Crestana (Iepac) do Seconci-SP.

Isso pode ser explicado pelo investimento que as empresas do setor têm feito nos últimos anos para melhorar as condições de trabalho de seus funcionários, com a oferta de atendimento médico de qualidade e a realização de palestras e treinamentos que objetivaram a qualidade de vida e a gestão de saúde e segurança dos trabalhadores.

Quando os motivos dos afastamentos são analisados, dores nas costas, juntas e inflamações (ombro, juntas e tendão) seguem como as principais causas para a ausência ao trabalho, com 30,4%, conservando o mesmo índice verificado em 2017. Na sequência, aparecem as enfermidades relacionadas a doenças dos olhos (predominantemente conjuntivites e doenças das pálpebras), com 10% (contra 1% em 2017); e contusões, entorses, traumatismos, ferimentos, com 9% (contra 8,1% no ano anterior).

Seguindo a tendência de queda observada no estudo anterior, enfermidades ligadas a faringites, amigdalites, sinusites, gripes e viroses responderam por 5,3% dos atestados, contra 6,7% em 2017. O mesmo declínio foi verificado no grupo de problemas relacionados à má digestão, gastrite, diarreia, úlceras e inflamação no intestino, com 7,0%, frente aos 9,3% do último levantamento.

“O aumento no número de consultas e a queda no registro de doenças não relacionadas diretamente à atividade laboral demonstram que os trabalhadores da construção civil estão mais atentos aos cuidados com a saúde, mantendo enfermidades como a hipertensão, compensadas”, comenta a Dra. Norma. “Isso é reflexo direto dos investimentos que as companhias têm realizado para que os trabalhadores tenham uma vida mais saudável”.

Já os pacientes que realizaram exames com duração superior a três horas ou precisaram ficar em observação clínica – e, dessa forma, perderam o dia de trabalho – correspondem a 10,6% dos atestados emitidos (contra 13,3% do ano anterior). Hipertensão arterial e doenças cardíacas responderam por 4,6% dos casos (5,2% em 2017).

Distribuição dos Atestados Segundo Grupo de Doenças em Linguagem Coloquial

image014
Série histórica motivos de afastamento de trabalhadores da construção civil – 2012 a 2018

image015

Período de afastamento e faixa etária

Em 2018, a média de dias nos quais os trabalhadores ficaram afastados se manteve estável, conservando o mesmo número do ano anterior, com 1,8 dia. O percentual interrompe tendência de crescimento verificado desde 2014, quando o número ficou em 1,4.

Na análise por faixa etária, a maioria dos atestados foi para os trabalhadores entre 30 a 39 anos (1.818), seguido por empregados com idade entre 18 a 29 anos (1.643) e 40 a 49 anos (1.385). No total de consultas, com e sem a emissão de atestados, o grupo mais demandante foi o de 30 a 39 anos (28,1%), seguido daqueles com 40 a 49 anos (23,9%).

Meses do ano e dias da semana com mais falta
Os resultados da pesquisa mostram que, entre os dias da semana, a segunda-feira segue como o campeã de atestados emitidos, correspondendo a 25,4 %, ante 13,4% às sextas-feiras. A quarta-feira é o segundo dia com maior número de atestados, com 23,4%; seguido da quarta e quinta-feira que ficam empatadas em 18,9%.

Já quando a análise é referente aos meses, agosto lidera com 714 atestados, seguindo de outubro (609) e julho (595). Os períodos com menor número de abstenções foram fevereiro (390), janeiro (405) e dezembro (449).

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *