Artigo traz alerta sobre doença que afeta cortadores de cana-de-açúcar

por Paulo Maia, Thais Santiago, Leonor de Campos e Luíz Roberto Silva

A rabdomiólise (rb) é uma patologia potencialmente fatal. Decorre da quebra e necrose do tecido muscular, o que libera substâncias intracelulares para a corrente sanguínea. A gravidade da doença varia conforme a quantidade de enzimas musculares liberadas no sangue. Concentrações baixas dessas enzimas no sangue apresentam efeitos assintomáticos. No entanto, elevadas concentrações podem resultar em desequilíbrio eletrolítico, insuficiência renal aguda e cardiopatias, que podem levar o indivíduo à morte. Uma causa importante da doença é a atividade muscular excessiva exercida em altas temperaturas. O pior estágio da síndrome é a incidência de insuficiência renal aguda que em casos graves têm uma taxa de mortalidade de, aproximadamente 8%.

Os cortadores de cana-de-açúcar estão, frequentemente, expostos a ambientes quentes e sua atividade laboral exige um grande esforço físico. No entanto, há pouca literatura relacionando a insuficiência renal aguda e a morte desses trabalhadores à rb, embora sobre as mesmas condições haja relatos de doenças induzidas pelo calor, como a exaustão térmica e a insolação, que são mais facilmente diagnosticadas. O objetivo deste artigo, portanto, é analisar essa patologia e relacioná-la com o esforço físico e a exposição ao calor dos cortadores de cana-de-açúcar.

A indústria e o trabalho de corte da cana-de-açúcar
Desde o tempo colonial cultiva-se a cana-de-açúcar no Brasil. As primeiras mudas chegaram aqui pelas mãos de Martim Afonso de Souza, um português que veio para o Brasil. O interesse dos portugueses não era apenas econômico. Eles visavam ocupar o território para protegê-lo das invasões estrangeiras. A necessidade de um grande número de trabalhadores foi suprida através da mão de obra escrava provinda da África. Cerca de 90% do território brasileiro localiza-se entre os trópicos de Câncer e Capricórnio, motivo pelo qual usamos o termo “país tropical”. A maior parte do Brasil situa-se em zonas de latitudes baixas, nas quais prevalecem os climas quentes e úmidos. Aproximadamente 70% da área plantada está localizada nos estados de São Paulo (52%), Goiás (9,5%) e Minas Gerais (8,9%), segundo dados fornecidos pela Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB).

No manejo correto da cana-de-açúcar, o clima é um fator preponderante. É necessário atender as exigências da cultura quanto à temperatura média do ar (diurna e noturna), precipitação pluvial e radiação solar. Para o brotamento dos toletes da cana-de-açúcar, a faixa de temperatura ideal de solo é de 32°C a 38°C, já para um crescimento forte e vigoroso que garanta alta produção e rendimentos de açúcar, a temperatura média ideal durante o dia deve estar entre 22°C e 30°C. Este cenário, por si só, mostra que os cortadores de cana trabalham em regiões que apresentam altas temperaturas na maior parte do ano.

Nas últimas décadas, o cultivo de cana intensificou-se no País, aumentando a área plantada e a produção de açúcar e álcool. Atualmente, o Brasil é um dos maiores produtores de cana-de-açúcar no mundo com, aproximadamente, 9 milhões de hectares de área cultivada e uma produção de 6,34 milhões de toneladas de colmos, 28,6 milhões de metros cúbicos de álcool e 35,5 milhões de toneladas de açúcar.

Grandes grupos empresariais nacionais e internacionais ingressaram no ramo do agronegócio sucroalcooleiro, buscando intensificação dos lucros. Com isso, aumentou a demanda de trabalho dos cortadores de cana. No entanto, essa demanda não é suprida sempre de forma legal, razão pela qual até hoje a fiscalização encontra pessoas trabalhando em situação análoga à escravidão.

Na década de 1950, cortavam-se três toneladas de cana por dia, passando a seis a partir de 1980 e, no final da década de 1990 e início da década de 2000, atingiu-se 12 toneladas de cana por dia, havendo relatos de até 20 toneladas. Mesmo com o aumento de produtividade e da intensidade do trabalho, a atividade básica dos cortadores em nada mudou.

Os rígidos procedimentos de trabalho dos “novos” modelos de gestão chegam a prescrever a posição em que os corpos dos trabalhadores devem ficar para dar os golpes de facão. Essa intensificação do trabalho tem provocado um desgaste maior dos trabalhadores, que são estimulados por sistemas de prêmios e punições. Continuamente a média de produção é elevada, o que induz ao sofrimento, dor, doenças e até mesmo à morte. Ainda segundo pesquisas, há registros de trabalhadores que utilizam álcool, drogas, maconha e crack na crença de que o uso dessas substâncias aumente a capacidade de trabalho.

Na realização de uma pesquisa ergonômica foi observado que um trabalhador que corta 11,5 toneladas de cana durante uma jornada de trabalho faz 3.994 flexões de coluna. Além disso, o estudo contabilizou uma média de 9.700 golpes de facão numa jornada onde os trabalhadores produziam cerca de 10 toneladas de cana por dia. A atividade exercida pelo cortador de cana dá para ser comparada com a de atletas corredores fundistas (longas distâncias). Eles não necessitam ter maior massa muscular como os corredores velocistas (curtas distâncias) e, sim, ter maior resistência física. Os cortadores exercem uma atividade repetitiva e exaustiva a céu aberto na presença de fuligem, poeira e fumaça por um período que varia entre 8 a 12 horas por dia.

O corte manual de cana-de-açúcar exige um trabalho intenso de braços e tronco, que gera uma quantidade de calor metabólico de 415 kcal/h. De acordo com as categorias de taxas metabólicas da American Conference of Industrial Hygienists- (ACGIH), essa atividade é considerada como trabalho pesado.

Nesse trabalho intenso associado às longas jornadas de trabalho e altas temperaturas, manifestam-se as câimbras seguidas de tontura, dor de cabeça, vômitos e convulsões. É habitual encontrar trabalhadores tomando soro nos serviços de urgência e emergência durante o pico da safra com alguns desses sintomas. Essas ocorrências são mais frequentes em dias quentes e secos. Os trabalhadores chamam essas ocorrências de “birola”, que corresponderia ao termo karoschi (japonês) e que designa uma situação clínica relacionada ao estresse ocupacional que pode levar à morte súbita por patologia coronária, isquêmica ou doença cerebrovascular.

Há diversos estudos em diferentes países voltados aos problemas de estresse térmico na indústria canavieira. No entanto, não há muitos estudos na literatura sobre a atividade de corte de cana e Rb. Ressalta-se que a rabdomiólise está relacionada ao esforço excessivo na realização das tarefas que resultam em uma alta carga térmica gerada pelo corpo, aliada, frequentemente à alta temperatura ambiental. Essa combinação independe de outras causas e é suficiente para que haja quebra do tecido muscular e, portanto, liberação de substâncias em quantidade nociva para o sangue, principalmente mioglobina na urina. O estudo mostra que a colheita de cana queimada está associada à disfunção renal aguda. Por outro lado, o Instituto de Pesquisa da Capacitação do Exército (IPCFEX) relata que exercícios intensos realizados em dias de altas temperaturas têm causado Rb em soldados.

O trabalhador que corta 12 toneladas de cana por dia de trabalho caminha cerca de 8.8 mil metros, despende milhares de golpes de podão, carrega 12 toneladas de cana em montes de 15 kg a uma distância de 1,5 a 3 metros, faz milhares de flexões e entorses torácicos para golpear a cana. Esse trabalhador perde, em média, 8 litros de água por dia. Todas as tarefas são realizadas frequentemente sob o sol forte e sob os efeitos da poeira e da fuligem expelida pela cana queimada. Esses trabalhadores trajam vestimentas que os protegem de cortes e queimaduras, mas causam-lhes um aumento de sua temperatura corporal. Sentem dores, cãibras, convulsões e os efeitos da desidratação. Conclui que a principal causa das mortes é o trabalho pesado e excessivo promovido pelo modo de remuneração, ou seja, o pagamento por produção.

A Rabdomiólise
A doença é conhecida há milhares de anos. A patologia provém da quebra e necrose do tecido muscular, o que libera substâncias intracelulares para a corrente sanguínea. A gravidade da doença varia conforme a quantidade de enzimas musculares séricas liberadas, podendo apresentar efeitos assintomáticos e, em casos de extrema elevação das enzimas, apresentar desequilíbrio eletrolítico, insuficiência renal aguda e cardiopatias, as quais podem levar a óbito.

Existem casos da doença no qual não há traumas tais como: drogas e toxinas, infecções, anormalidades eletrolíticas, endocrinopatias e miopatias inflamatórias, entre outros.
As causas de rabdomiólise podem ser agrupadas em 10 grupos: 1) traumáticas; 2) relacionadas com a atividade muscular excessiva; 3) alterações da temperatura corporal; 4) oclusão ou hipoperfusão dos vasos musculares; 5) tóxicas; 6) farmacológicas; 7) alterações electrolíticas e endócrinas; 8) infecciosas; 9) doenças musculares inflamatórias e 10) miopatias metabólicas.

O consumo de álcool, drogas lícitas ou ilícitas, esforço físico excessivo e prolongado em lugares quentes com extrema umidade relativa do ar e a desidratação favorecem a propagação da patologia.
Embora haja muitas causas, o conceito é um só: a quebra (lise) rápida de músculo esquelético (rabdomio) devido à lesão no tecido muscular. O próprio nome revela a sua principal característica: a deterioração do tecido muscular. Nessa deterioração as células musculares (miócitos) comprometidas liberam para a corrente sanguínea, entre outras substâncias, a mioglobina.

Os sintomas clássicos de Rb incluem dores musculares (mialgias), urina de coloração vermelha ou marrom, devido à mioglobinúria, e elevação de enzimas musculares séricas, incluindo a creatina quinase (CK). O grau de dor varia muito entre os pacientes e a fraqueza muscular pode ocorrer em pessoas com lesão muscular grave, embora, mais de 50% dos pacientes não se queixam de dor ou fraqueza, embora relatem sintomas adicionais, como: febre, mal-estar geral, taquicardia, náuseas e vômitos.

A rabdomiólise e a insuficiência renal aguda
A Rb pode levar à insuficiência renal aguda (IRA), razão pela qual a norma EB30-N-20.001, do Exército Brasileiro, ressalta a necessidade da terapia precoce para evitar a progressão da Rb para a insuficiência renal aguda. A IRA é caracterizada por uma deterioração da função renal que ocorre no decorrer de horas a dias, resultando na falência dos rins para excretar produtos nitrogenados e para manter o equilíbrio hidroeletrolítico e ácido-básico (DAHER et al., 2009).

A colheita da cana tem sido associada à uma epidemia de doenças renais crônica na América Central, afetando, principalmente, jovens trabalhadores saudáveis. Um estudo exploratório teve como objetivo avaliar os efeitos agudos da colheita de cana queimada sobre a função renal entre 28 trabalhadores brasileiros saudáveis. As amostras de urina e de sangue foram recolhidas no início e no final da temporada da colheita, e antes e no final de cada turno de trabalho. Todos os indivíduos apresentaram diminuição da taxa de filtração glomerular, estimada em 20% no fim do turno de trabalho, e 18,5% apresentaram creatinina sérica aumentada consistente com lesão renal aguda. Houve diminuição da quantidade de urina e sua densidade foi aumentada, enquanto o sódio sanguíneo foi diminuído. Neste cenário, os autores do estudo concluíram que a colheita de cana queimada causou disfunção renal aguda em trabalhadores saudáveis associada a uma combinação de desidratação, inflamação sistêmica, estresse oxidativo, e rabdomiólise.

A rabdomiólise e o esforço físico
Sabe-se que Rb pode ser derivada de esforços físicos intensos. Nos anos 1960, nos EUA, oito rapazes participaram de uma prova para oficiais da aviação, que consistia em exercícios extenuantes. Decorridas 38 horas após a prova, todos os recrutas apresentaram um quadro de mioglobinúria, função muscular comprometida e aumento de concentrações de enzimas musculares no sangue, de forma que a capacidade funcional demorou várias semanas para ser restaurada. Ainda no âmbito das forças armadas, um estudo realizado com trinta e três recrutas, candidatos a oficiais em Fort Benning, Georgia, mostrou que, após duas semanas de treinamento, eles apresentavam urina marrom e outros sintomas. A maioria dos candidatos precisou de duas a três semanas para recuperar a função muscular. Entretanto, após seis semanas, oito recrutas ainda sentiam fraqueza.

No Brasil, o comando do exército, por meio da Portaria nº 129, de 11 de março de 2010, aprovou a diretriz para a implantação do “Programa de Prevenção e Controle da Rabdomiólise Induzida por Esforço Físico e pelo Calor” e produziu material educativo sobre o assunto. Dois anos depois, em 2012, foi publicado nova portaria aprovando a norma EB30-N-20.001, que consiste em um Procedimento Assistencial em Rabdomiólise no Âmbito do Exército. O documento alerta que a prática de exercícios físicos em excesso pode provocar necrose muscular e Rb em indivíduos sem condicionamento físico adequado para a atividade, que apresentem baixos índices de concentração de potássio na circulação sanguínea (hipocalêmicos).

No âmbito da Medicina Desportiva, uma pesquisa mostrou que três atletas relataram dores musculares e urina escura após participarem da primeira sessão de um programa de musculação. Nestes casos, a doença se manifesta devido ao esforço que ocorre com maior frequência quando um ou mais fatores de risco estão presentes: falta de preparo físico e realização de exercícios em locais extremamente quentes e/ou úmidos, pois nessas condições há dificuldade de perda de calor por transpiração. O treinamento ideal seria o treino monitorado e personalizado. No entanto, não é raro o surgimento da patologia em atletas que ultrapassam os limites de seu corpo, a exemplo dos praticantes de rapel, trekking e corredores.

O exercício muscular extenuante pode causar miólise (dissolução das células musculares), especialmente em indivíduos não treinados ou em indivíduos que se exercitam em condições extremamente quentes e/ou úmidas, como é o caso dos cortadores de cana-de-açúcar iniciantes na atividade ou de cortadores que voltam à atividade, após um longo tempo de afastamento.

Após a prática de exercícios físicos ou trabalho em canaviais é comum ocorrer mioglobinemia (mioglobina no sangue), mioglobinúria (mioglobina na urina) e aumento de creatina quinase (CK) sérica subclínica, como ocorre em maratonistas. A mioglobina é uma proteína, cuja principal função é a de transportar o oxigênio aos músculos, necessário para o seu funcionamento. Sua estrutura é muito próxima da hemoglobina que transporta o oxigênio no sangue. A mioglobina é encontrada, quase que exclusivamente, no tecido muscular, apesar de haver uma pequena quantidade no sangue (6 a 85 ng/mL), mas, normalmente, não é encontrada na urina.

A rabdomiólise e o calor
Os trabalhadores que realizam atividades a céu aberto se expõem a calor intenso e merecem uma atenção especial. Frequentemente, esses trabalhadores exercem atividades pesadas, aumentando significativamente a quantidade de calor interno. Os cortadores de cana-de-açúcar, ao cortarem 12 toneladas geram cerca de 415 Kcal/h. Ressalte-se que as trocas térmicas com o ambiente são dificultadas por causa das vestimentas e pelo uso obrigatório de equipamentos de proteção individual, tais como luvas de raspa, capuz, botas, óculos, perneira e mangote. Esses e outros fatores podem resultar em sobrecarga térmica, causando solicitações fisiológicas capazes de provocar irritabilidade inexplicável, confusão mental, câimbras, fadiga severa repentina e outras disfunções com potencial de levar à morte no caso de falência do sistema termorregulador do corpo.

Com o advento das mudanças climáticas, a temática “calor” tem sido cada vez mais abordada cientificamente. As ondas de calor, caracterizadas por um período de tempo com temperaturas bem acima da média, são consideradas a principal causa de mortalidade humana entre eventos da natureza. Devido às mudanças climáticas, as ondas de calor estão se tornando cada vez mais frequentes e intensas. Para o Brasil, o relatório “The Global Climate 2001-2010, A Decade of Climate Extremes” identificou, em 2006, a ocorrência de uma das ondas de calor mais significantes do mundo.

O excesso de calor, independentemente da causa, pode resultar em lesão muscular. Tanto a hipotermia, como a hipertermia, respectivamente, aumento ou diminuição da temperatura corporal, podem desencadear a síndrome.

Rabdomiólise e desordens eletrolíticas
Quando as células do tecido muscular esquelético, ou miócitos, são danificadas, além da mioglobina, são liberados componentes intracelulares na corrente sanguínea, incluindo eletrólitos e outras proteínas sarcoplasmáticas, notadamente, creatina quinase (CK), alanina aminotransferase (TGO) e asparato aminotransferase.

Em casos graves, desordens eletrolíticas e insuficiência renal aguda podem ocorrer, o que leva a situações de risco de vida. Uma grande ênfase deve ser dada às alterações eletrolíticas que ocorrem em trabalhos extenuantes, como: a hipo ou hipercalemia (níveis baixos ou elevados de potássio no sangue), a hipocalcemia (concentração baixa de cálcio) e a hiperfosfatemia (aumento de fosfato no sangue) que ocorrem devido à lesão celular. Essas alterações, agravadas ou não pela insuficiência renal aguda, são as principais complicações da Rb.

O trabalho extenuante pode causar a falta de suprimento sanguíneo para o tecido muscular devido à obstrução causada por um trombo (isquemia muscular), o que ocorreria mais rapidamente em indivíduos com uma quantidade baixa de potássio na corrente sanguínea (hipocalêmicos) porque ele é essencial para a vasodilatação da microcirculação dos músculos.

Recomendações
Esse artigo sobre Rb visa mostrar que a patologia tem muitas causas. Os cortadores de cana constituem um grupo de trabalhadores especialmente sujeitos a dois fatores importantes associados à doença: o calor intenso e a atividade pesada. No entanto, há outros fatores que aumentam o risco de casos de rabdomiólise dessa população, exemplificados pelo consumo de álcool, drogas, picadas de insetos e cobras e uso de remédios amplamente utilizados pela população em geral.

O diagnóstico pode ser difícil, requerendo um elevado grau de suspeição. Na área ocupacional, no Brasil, ela é uma doença despercebida, como muitas outras foram no passado, havendo pouquíssima literatura ligada às atividades laborais. É um pouco mais explorada no campo esportivo e nas normas do exército. A síndrome sequer é citada no Manual de Procedimentos para os Serviços de Saúde – Doenças Relacionadas ao Trabalho do Ministério da Saúde.

Essa ausência de conhecimento resulta na exposição de milhares de trabalhadores que frequentemente realizam atividades pesadas, especialmente, os cortadores de cana. Tais condições podem estar relacionadas à organização com trabalho, exemplificadas pelo pagamento por produção ou por prêmios, que induz um ritmo, levantamento de pesos e posições corporais para realização das tarefas acima da capacidade do trabalhador; ou às condições do próprio ambiente de trabalho, exemplificadas pelo calor intenso e alta umidade aonde as tarefas são executadas. Os danos podem ser permanentes ou transitórios, e podem ser evitados com que medidas de prevenção e monitoramento dos trabalhadores.

Destaca-se, ainda, que a manifestação da doença pode ocorrer em ambientes onde não haja profissionais da saúde para fazer o diagnóstico e uma rápida intervenção, aumentando os riscos de morbimortalidade. O Serviço Pastoral do Migrante, entre as safras 2004/2005 e 2005/2006, contabilizou a morte de 10 cortadores de cana em uma região canavieira de São Paulo. Eram trabalhadores jovens, com idades variando entre 24 e 50 anos. Todos eram migrantes provenientes de outras regiões do País (Norte de Minas, Bahia, Maranhão, Piauí) para o corte de cana. As causas mortis constantes nos atestados de óbitos são vagas, tais como: parada cardiorrespiratória por causa indeterminada, enfarto do miocárdio e causas desconhecidas.

Por essas razões faz-se necessário que, no âmbito governamental, sindical e empresarial se abram caminhos para a pesquisa ocupacional em relação à rabdomiólise e à preparação de profissionais capazes de prevenir, diagnosticar, contabilizar e tratar a doença. Ainda no âmbito governamental, recomenda-se a criação de um programa em SST visando a prevenção da doença entre os expostos ao calor intenso, priorizando os que realizam atividades pesadas, como os que laboram no corte de cana-de-açúcar.

 

Paulo Maia é engenheiro mecânico e de segurança do trabalho, doutor em Engenharia Civil e pesquisador da Fundacentro/Campinas (SP)
Thais Santiago é engenheira agrônoma e a segurança do trabalho
Leonor de Campos é psicóloga
Luíz Roberto Silva é engenheiro agrônomo e de segurança do trabalho e mestre Engenharia Agrícola

 

*Este artigo foi publicado na edição nº 448 da revista Cipa (janeiro)

 

Referências Bibliográficas

AMERICAN CONFERENCE OF GOVERNAMENTAL INDUSTRIAL HYGIENISTS-ACGIH. TLVs e BELs. Limites de Exposição Ocupacional (TLVs) para Substâncias Químicas e Agentes Físicos & Índices Biológicos de Exposição (BELs). São Paulo: [s.n.] 2014.

ALVES, F. Porque morrem os cortadores de cana? Saúde e Sociedade, São Paulo: vol. 15, n.3, p. 90-98, set./dez. 2006.

AMORIM, M. Z.; MACHADO, M.; HACKNEY, A. C.; OLIVEIRA, W.; LUZ, C. P. N; PEREIRA, R. Sex differences in serum ck activity but not in glomerular filtration rate after resistance exercise: is there a sex dependent renal adaptative response? The Journal of Physiological Sciences, v. 64, p. 31-36, 2014.

ANDRADE, A. F. Cana e crack: Sintoma ou Problema? Um Estudo Sobre os Trabalhadores no Corte de Cana e o Consumo do Crack. Dissertação (Mestrado em Psicologia Social) – Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, 2003. Disponível em: <http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/ea000225.pdf>. Acesso em: 20 jun. 2016.

BAPTISTA, C. A. S. Rabdomiólise após exercício físico não intenso. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, São Paulo, v. 17, n. 2, mar./abr. 2011.

BITENCOURT, D. P.; RUAS, A. C.; MAIA, P. A. Análise da contribuição das variáveis meteorológicas no estresse térmico associada à morte de cortadores de cana-de-açúcar. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 28, n. 1, p. 65-74, 2012.

BYWATERS, E. G; BEALL, D. Crush injuries with impairment of renal function. British Medical Journal, London, v. 22, mar., p. 427-432, 1941.

BOSCH, X.; POCH, E.; GRAU, M. J. Rhabdomyolisis and Acute Kidney Injury. The New England Journal of Medicine, Boston, v. 361, p. 62-67, 2009.

BOTTON, B.; SCHMITT, E. U.; BASTOS, K. S.; GODOY, D. M.; CAMPOS, B. T. Relato de caso de rabdomiólise em um praticante de esportes radicais rapel e trekking, uma emergência a ser reconhecida. Arquivos Catarinenses de Medicina, Florianópolis, v. 40, n. 3, p.94-98, 2011.

BRASIL, Ministério da Defesa, Exército Brasileiro, Secretaria Geral do Exército. Boletim do Exército nº 28, de 13 de julho de 2012. Brasília–DF: [s.n.], 2012, 111p.

BRASIL. Exército Brasileiro. Portaria nº 129, de 11 de março de 2010 “Aprova a diretriz para a implantação do Programa de Prevenção e Controle da Rabdomiólise Induzida por Esforço Físico e pelo Calor”.

BRASIL. Exército Brasileiro. Portaria n° 092-DGP, de 2 de julho de 2012. Aprova as normas para Procedimento Assistencial em Rabdomiólise no âmbito do exército (EB30-N-20.001).

CERVELLIN, G; COMELLI, I; LIPPI, G. Rhabdomyolysis: historical background, clinical, diagnostic and therapeutic features. Clinical Chemistry and Laboratory Medicine, Berlin, v. 48, p. 749-756, Jun. 2010.

CLARKSON, P. M. Exertional rhabdomyolysis and acute renal failure in marathon runners. Sports Medicine, Aukland, v. 37, p. 361-363, abr. 2007.

CLARKSON, P. M. Os piores cenários: Rabdomiólise por esforço e insuficiência renal aguda. Sports Science Exchange, Barrington, v. 4, n. 42, p. 1-11, 1993.

CONAB. Companhia Nacional de Abastecimento. Séries históricas. [s.n.], Brasília-DF, 2015. Disponível em: <http://www.conab.gov.br/conteudos.php?a=1252&t=&Pagina_objcmsconteudos=2#A_objcmsconteudos > Acesso em: 09 nov. 2015.

CONVERTINO, V. A; ARMSTRONG, L. E; COYLE, E. F.; MACK, G. W.; SAWKA, M. N.; SENAY, L. C. J. R.; SHERMAN, W. M. American College of Sports Medicine position stand. Exercise and fluid replacement. Medicine & Science in Sports & Exercise, Hagerstown, v. 28, n.1, p. 1-7, 1996.

DAHER, E. F.; Oliveira, R. A.; Silva, L. S. V.; Silva; E. M. B; Morais, T. P. Insuficiência renal aguda por picada de abelhas: relato de casos. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, Uberaba, v. 42, n.2, p.:209-212, mar./abr. 2009.

DORES H.; LEITÃO A.; MARQUES F.; ARAÚJO I.; FONSECA C.; CEIA, F. Exercício físico: quando a má prática compromete os benefícios. Revista Factores de Risco, Lisboa, v. 12, p. 42-47, jan-mar, 2009.

DORIGUZZI, C.; PALMUCCI, L; MONGINI, T; ARNAUDO, E. Body building and myoglobinuria: report of three cases. British Medical Journal, London, v. 296 p. 806-807, mar. 1988.

FELIX, A. S. A. Escravidão Contemporânea nos canaviais mato-grossenses e a educação como prática da liberdade: condições de possibilidades para a práxis de um movimento abolicionista do século XXI em Mato Grosso. 2007, 122 p. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal de Mato Grosso, Instituto de Educação, Cuiabá, 2007. Disponível em: <Disponível em: <http://www.escavador.com/sobre/4002808/adriano-da-silva-felix. acesso em 04/04/2016

FELIX, A. S. O trabalho escravo nos canaviais contemporâneos e a justiça ambiental pela educação: possibilidades de uma educação ambiental contra a escravidão dissimulada no meio ambiente do trabalho rural. In: Seminário Educação 2008, 2008, Cuiabá. 20 anos de pós-graduação em educação: avaliação e perspectivas, 2008. Disponível em: <http://www.ie.ufmt.br/semiedu2009/gts/gt3/ComunicacaoOral/ADRIANO%20DA%20SILVA%20FELIX.pdf >. Acesso em: 4 abr. 2016.

FERREIRA, L. L.; GONZAGA, M. C; DONATELLI. S; BUSSACOS, M. A. Análise Coletiva do Trabalho dos Cortadores de Cana da Região de Araraquara. São Paulo: Fundacentro, 2008.

GASPARRINI, A.; ARMSTRONG, B. The impact of heat waves on mortality. Epidemiology, [N.L.], v. 22, n. 1, p. 68-73, 2011.

GONÇALVES, E. A. P; GOLDONI, F. Rabdomiólise. In: GOLDONI, F.; MIDON, M. E. Rotinas Clínicas em Urgências e Emergências no HRMS. Campo Grande: Editora UFMS, 2010, p. 311-321. Disponível em: <http://www.hrms.ms.gov.br/controle/ShowFile.php?id=83067>. Acesso em: 27 jan. 2016.

HARGREAVES, M.; DILLO, P.; ANGUS, D.; FEBBRAIO, M. Effect of fluid ingestion on muscle metabolism during prolonged exercise. Journal of Applied Physiology, Rockville Pike, v. 80, p. 363–366, 1996.

HONDA, N.; KUROKAWA, K. Acute renal failure and rhabdomyolysis. Kidney International, Malden, v. 23, n. 4, p. 888-898, 1983.

HOODA, A. K.; NARULA, A. S. Exertional rhabdomyolysis causing acute renal failure. Medical Journal Armed Forces India, New Delhi, v.61, n.4, p. 395- 396, 2005.

HOSHIKO, S.; ENGLISH, P.; SMITH, D.; TRENT, R. A simple method for estimating excess mortality due to heat waves, as applied to the 2006 California heat wave. International Journal of Public Health, [S. L.], v. 55, n. 2, p. 133-137, 2010.

HUANG, W.; KAN, H.; KOVATS, S. The impact of the 2003 heat wave on mortality in Shanghai, China. Science of the Total Environment, Amsterdam, v. 408, n. 11, p. 2418–2420, 2010.

INSTITUTO DE ECONOMIA AGRÍCOLA – IEA. Pagamento de Colheita. Dados Estatísticos do ESP. 2015. Disponível em: <http://ciagri.iea.sp.gov.br/nia1/precor_bio.aspx?cod_tipo=8&cod_sis=14>. Acesso em: 10 nov. 2015.

INSTITUTO DE PESQUISA DA CAPACITAÇÃO DO EXÉRCITO – IPCFEX- Rabdomólise Revisada, 2011. Disponível em: <http://www.ipcfex.com.br/media/file/Rabdomiolise_revisada.pdf>. Acesso em: 23 abr. 2015.

JONGSIK, H.; KIM, H. Changes in the association between summer temperature and mortality in Seoul, South Korea. International Journal of Biometeorology, New York, v. 57, n. 4, p. 535-544, jul. 2013.

JUTELL, P. Desgaste físico diário do cortador de cana é igual ao de maratonista. 2008. Notícias do Brasil, Disponível em: <http://www.labjor.unicamp.br/midiaciencia/article.php3?id_article=596>. Acesso em: 23 dez. 2015.

KHAN, F. Y. Rhabdomyolysis: a review of the literature. The Netherlands journal of medicine. Haarlem, v. 67, n. 9, p. 272-273, out., 2009.

KNOCHEL, J. P. Catastrophic medical events with exhaustive exercise: “White collar rhabdomyolysis”. Kidney International, Malden, v. 38:709-719,1990.

LEWIS, D. C. Metallinos-Katzaras E.; Grivetti, L. E. Coturnism: human poisoning by European migratory quail. J Cultur Geogr.; v.7, n. 2, p. 51-65,1987.

LIM, Y. H.; KIM, H.; HONG, Y. C. Variation in mortality of ischemic and hemorrhagic strokes in relation to high temperature. International Journal of Biometeorology, New York, v. 57, n. 1, p. 145-153, 2012.

LINE, R. L.; RUST, G. S. Acute exertional rhabdomyolysis. American Family Physician, [N.L.], v. 52, n. 2, p. 502-506, 1995.

LOPES, C. G.; COSTA, P. L. Rabdomiólise induzida pelo exercício: biomarcadores, mecanismos fisiopatológicos e possibilidades terapêuticas. Revista Hupe, Rio de Janeiro, v. 12, n. 4, p. 59-65, out-dez, 2013. Disponível em: <http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/revistahupe/article/view/8713/9616>. Acesso em: 26 out. 2015.

MAIA, P. A; RUAS, A. C.; BITENCOURT. D. Wet-bulb globe temperature index estimation using meteorological data from São Paulo State, Brazil. International Journal Biometeorology, Dordrech, v. 59, n. 10, p. 1395- 1403, Oct, 2015;

MAGALHÃES, A. A. F. Insuficiência renal aguda em militares submetidos a esforços físicos extenuantes. 2008. 16f. Trabalho de conclusão de curso (Curso de Formação de Oficiais do Serviço de Saúde, especialização em Aplicações Complementares às Ciências Militares) – Escola de Saúde do Exército, Rio de Janeiro. Disponível em: <http://www.essex.ensino.eb.br/doc/PDF/PCC_2008_CFO_PDF/CD9%201%BA%20Ten%20Al%20ALINE%20ACOCELLA%20FETT%20DE%20MAGALH%C3ES.pdf>. Acesso em: 2 fev., 2016.

MALINOSKI, J. D.; SLATER, M. S.; MULLINS, R. J. Crush injury and rhabdomyolysis. Critical Care Clinics, p. 171-192, Jan, 2004. Disponível em: < http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/14979336>. Acesso em: 3 fev 2016.

MARIEB, E. N.; ADAMS, M. Human Anatomy Physiology. 2. ed. Redwood City: Benjamin-Cummings Publishing Company, 1991.

MARIN, F. R. Exigências Climáticas da Cana-de-Açúcar. Brasília: EMBRAPA, 2015. Disponível em: <http://www.agencia.cnptia.embrapa.br/gestor/cana-de-acucar/arvore/CONTAG01_10_711200516716.html>. Acesso em: 12 jan. 2015.

MARTELLI, A.; ZAVARIZE, S.F.; HUNGER M.S; DELBIM, L. R. Aspectos clínicos e fisiopatológicos da rabdomiólise após esforco físico Intenso. Perspectivas online: biologia e saúde, Campos dos Goytacazes, v. 13, n. 4, p. 13-22, 2014.

MINAYO-GOMEZ, G. C. Produção de conhecimento e intersetorialidade em prol das condições de vida e de saúde dos trabalhadores do setor sucroalcooleiro. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 16, n. 8, p. 3361-3368, 2011.

MINISTÉRIO DA SAÚDE DO BRASIL. Doenças relacionadas ao trabalho: Manual de Procedimentos para os Serviços de Saúde, série A. Normas e Manuais Técnicos; n. 114, Brasília/DF – Brasil 2001. Disponível em: <http://www.qualidadeeseguranca.com/news/o-manual-de-procedimentos-para-os-servi%C3%A7os-de-saude-%E2%80%93-doen%C3%A7as-relacionadas-ao-trabalho-brasil/>. Acesso em: 12 fev. 2016.

MONTEIRO, A.; CARVALHO, V.; OLIVEIRA, T.; SOUZA, C. Excess mortality and morbidity during the July 2006 heat wave in Porto, Portugal. International Journal of Biometeorology, Lisse, v. 57, n. 1, p. 155-167, 2012.

OLIVEIRA, G. S.; MARAFONI, L.; CASIMIRO-LOPES, G. Rabdomiólise: uma síndrome ainda desconhecida pelos profissionais de educação física. In: Simpósio Internacional de Atividades Físicas do Rio de Janeiro, 12, 2008. Rio de Janeiro: IPCFEX, 2008. Disponível em: <http://boletimef.org/biblioteca/2060/Rabdomiolise-uma-sindrome-ainda-desconhecida-na-Educacao-Fisica>. Acesso em: 24 mai 2016.

OSTRO, B. D.; ROTH, L. A.; GREEN, R. S.; BASU, R. Estimating the mortality effect of the July 2006 California heat wave. Environmental Research, [N.L.], v. 109, n. 5, p. 614-619, 2009.

PARK, J. S.; SEO, M. S.; GIL, H. W.; YANG, J. O.; LEE, E. Y.; HONG, S. Y. Incidence, Etiology, and Outcomes of Rhabdomyolysis in a Single Tertiary Referral Center. Journal of Korean Medicine Science, Seul, v. 28, p. 1194-1119, 2013.

PEARCEY, G. E.; BRADBURY-SQUIRES, D. J.; POWER, K. E.; BEHM, D. G.; BUTTON, D. C. Exertional Rhabdomyolysis in an Acutely Detrained Athlete/Exercise Physiology Professor. Clinical journal of sport medicine, New York, v. 23, n. 6, p. 496-498, nov. 2013.

PEDRA, J. B. L.; SILVEIRA JR, L. Espectroscopia Raman no diagnóstico da rabdomiólise. In: Encontro de Pós-Graduação e Iniciação Científica – Universidade Camilo Castelo Branco 2013. Disponível em: <http://www.unicastelo.br/epginic2016/edicoes_anteriores/files/2014/EPG/Engenharias/369%20-%20EPG251.pdf>. Acesso em: 24 de nov. 2015.

PENN, A. Myoglobinuria. In: Myology. New York: McGraw-Hill Book Co. p. 1785-1805, 1986.

PINTO, O. E.; SVETLANA, A.; NOBREGA, A. M. Rabdomiólise e mioglobinúria. Relato de um caso agudo com boa evolução. Arquivos de Neuro-Psiquiatria. São Paulo, v.41, n. 2. p. 280-286, set. 1983.

POLDERMAN, K. H. Acute renal failure and rhabdomyolysis. The International journal of artificial organs. Milano, v. 27, n. 12, p.1030-1033, dez. 2004. Disponível em: <http://europepmc.org/abstract/med/15645612>. Acesso em: 2 mar. 2016.

RAPOSO, J. N.; JOÃO, A.; NAMORA, J.; CARVALHO A. de. Rabdomiólise – breve revisão, a propósito de um caso. Medicina Interna, Lisboa, v. 9, n. 2, p. 80-84, 2002.

REIS, F. D. R. Avaliação e controle do risco de estresse térmico dos trabalhadores no corte manual de cana-de-açúcar. Revista Brasileira de Medicina do Trabalho. Belo Horizonte, v. 12, n. 2, p. 73-78, 2014.

ROSA, N. G.; SILVA, G.; TEIXEIRA, A.; RODRIGUES, F.; ARAÚJO, J. A. Rabdomiólise – artigo de revisão. Acta Médica Portuguesa. Lisboa, v. 18, p. 271-282, 2005.

SANTOS, P.U; ZANETTA, D. M. T.; TERRA FILHO, M.; BURDMANN, E. A.. Burnt sugarcane harvesting is associated with acute renal dysfunction. Kidney International, New York, v.87, p. 792–799, 2015.

SEMENZA, J. C.; RUBIN, C. H.; FALTER, K. H.; SELANIKIO, J. D.; FLANDERS, W. D.; HOWE, H. L.; WILHELM, J. L. Heat-Related deaths during the July 1995 heat wave in Chicago. The New England Journal of Medicine. Waltham, v. 335, n. 2, p. 84-90, 1996.

SILVA, M. A. M.; MARTINS, R. C.; OCADA, F. K.; GODOI, S.; MELO, B. M.; VETTORACCI, A.; BUENO, J. D.; RIBEIRO, J. D. Do karoshi no Japão à birôla no Brasil: as faces do trabalho no capitalismo mundializado. Revista Eletrônica do Núcleo de Estudos Pesquisas e Projetos de Reforma Agrária, Presidente Prudente, v. 9 n. 8, p. 74-108, 2006.

SILVA, C. E. M. Ações do Exército Brasileiro em combate à rabdomiólise. Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Medicina Militar, 2014. Disponível em: <http://www.abmm.org.br/mil/biblioteca/artigos/133-acoes-do-exercito-brasileiro-em-combate-a-rabdomiolise>. Acesso em: 27 jan. 2016.

SPECIAN, V. & FIGUEIREDO, M. A. G. O Setor Sucroalcooleiro e os Indicadores da Rede de Agricultura Sustentável para o Trabalho no Corte da Cana: uma possibilidade de aplicação. In: V Encontro Nacional da ANPPAS, 2010, Florianópolis. Anais. 2010. Disponível em: < http://www.anppas.org.br/encontro5/cd/artigos/GT2-186-173-20100809151236.pdf> Acesso em 04/04/2016.

SMITH, R. F. Exertional Rhabdomyolysis in Naval Officer Candidates. Archives International Medicine, Thessaloniki, v. 121, n. 4, p. 313-319, Apr. 1968.

VANHOLDER, R; SEVER, M. S; EREK, E; LAMEIRE, R. Rhabdomyolysis. Journal of American Society of Nephrology. Washington, v. 11, n. 8, p. 1553-1561, Aug. 2000.

VICENTINO, C. Projeto Radix: história. 2. Ed. São Paulo: Ed. Scipione, 2012.

VETTER, J. Poison hemlock (Conium maculatum L.). Food and Chemical Toxicology. Oxford v. 42, p. 1373–1382. 2004.

VISWERSWARAN, P. & GUNTUPALLI, J. Rhabdomyolysis. Critical care clinics. Philadelphia, v. 5, p.415-428,

XAVIER, Glauber Lopes. Capital, Trabalho e Poder: A Violência Velada dos Canaviais. In: III Simpósio Lutas Sociais na América Latina – Trabalhadore(a)s em movimento: constituição de um novo proletariado?, 2008, Londrina. Grupo de Estudos de Política da América Latina – GEPAL, 2008. Disponível em: <http://www.uel.br/grupo-pesquisa/gepal/terceirosimposio/glauberlopes.pdf>. Acesso em: 4 fev. 2016.

WARREN JD, BLUMBERGS PC, THOMPSON PD. Rhabdomyolysis: a review. Muscle & Nerve. New York, v. 25, n. 3., p. 332-347, 2002.

 

 

 

 

 

 

Envie o seu comentário

Por favor, digite seu nome

Digite seu nome

Por favor, insira um endereço de e-mail válido

Digite um endereço de e-mail

Por favor, digite a sua mensagem

Revista Cipa © 2017 Todos os direitos reservados

Grupo Cipa Fiera Milano | Avenida Angélica, 2491 – São Paulo – Brasil - Tel: +55 11 5585.4355