Estudo avalia condições de trabalho de profissionais de saúde durante a pandemia

0

Como se poderia imaginar, os profissionais da área da saúde estão esgotados. É o que aponta pesquisa da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), segundo a qual 95% desses trabalhadores tiveram suas vidas impactadas de modo significativo pela pandemia. Metade relatou jornadas excessivas (mais de 40 horas semanais), 45% disseram precisar de mais de um emprego para sobreviver e quase 20% confessaram o medo generalizado de se contaminar no trabalho.

“A pandemia revelou a essencialidade da saúde em nossas vidas e paradoxalmente, revelou o quanto os profissionais de saúde não são considerados e respeitados nesse processo”, afirma Maria Helena Machado, coordenadora do estudo.  “Após um ano de caos sanitário, a pesquisa retrata a realidade daqueles que atuam na linha de frente, marcados pela dor, sofrimento e tristeza, com fortes sinais de esgotamento físico e mental”.

Os dados indicam que 43% dos profissionais não se sentem protegidos no trabalho de enfrentamento da Covid-19, e o principal motivo (23%) está relacionado à escassez ou inadequação de equipamentos de proteção individual (EPIs). Graves também foram os prejuízos à saúde mental relatados, como perturbação do sono (15,8%), irritabilidade/choro frequente/distúrbios em geral (13,6%) e incapacidade de relaxar/estresse (11,7%).

>> Última etapa do maior estudo epidemiológico sobre a Covid-19 é realizada no Brasil

>> Com as mudanças causadas pela pandemia, manter a saúde mental no trabalho exige esforço extra

>> Mulheres tem atuação fundamental na Medicina do Trabalho

O levantamento foi amplo e contemplou, além de médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, farmacêuticos e administradores hospitalares, um expressivo número de residentes e graduandos da área da saúde, em mais de dois mil municípios. A maior parte da força de trabalho é formada por enfermeiros (58,8%) e médicos (22,6%), e é majoritariamente feminina (77,6%).

Fake news

A pesquisa abordou, ainda, as percepções dos profissionais acerca das fake news propagadas ao longo da pandemia, como em relação à adoção de medicamentos ineficazes para prevenção e tratamento. Mais de 90% disseram que as falsas notícias são, sim, um verdadeiro obstáculo no combate ao novo coronavírus. Além disso, 70% afirmaram que os posicionamentos das autoridades sanitárias não têm sido consistentes e esclarecedores.

O questionário sobre as Condições de Trabalho dos Profissionais de Saúde no Contexto da Covid-19 no Brasil obteve mais de 25 mil participantes de mais de 2 mil municípios. Desses, aproximadamente 16 mil representam o universo das profissões de saúde. As demais categorias, que incluem técnicos, auxiliares e trabalhadores de nível médio, fazem parte da pesquisa “Os trabalhadores invisíveis da Saúde”, cujos resultados serão divulgados ainda neste ano.

Deixe uma Resposta

Seu comentário aguarda moderação.

VOCÊ GANHOU UM CUPOM DE DESCONTO!

Utilize o CUPOM CIPA10 e tenha 10% de Desconto na Assinatura de qualquer Plano da Revista Cipa & Incêndio.

USAR MEU CUPOM CIPA10
* Promoção válida para pedidos realizados até o dia 31.05.2021. Essa promoção não é válida para quem já é assinante da revista e não é cumulativa com outras promoções.
close-link